A infertilidade é, por definição, uma dificuldade ou incapacidade que um casal tem de gerar filhos de forma natural após um ano de tentativa sem sucesso. Esta, atinge até 15% dos casais em todo o mundo. No entanto, isso é apenas uma referência para que tenhamos um parâmetro. A infertilidade também é considerada quando um casal não consegue manter uma gravidez, quando têm perdas recorrentes no início da gestação. Um dos principais fatores que acometem a fertilidade é a idade da mulher, que a partir dos 35 anos, diminui. Por isso, existem alguns tratamentos que podem ser tentados. Vamos entender um pouco mais sobre eles:

Relação Sexual Programada

Consiste em um tratamento via medicação para estimular a mulher a produzir mais folículos. O médico, então, acompanha e observa a produção desses folículos com ecografias até o momento em que eles estão aptos para a ovulação. A partir disso, é utilizada uma segunda medicação para fazer a mulher ovular e programar a relação sexual para o melhor momento para a fecundação. Este método consiste em aumentar as chances de o casal conseguir engravidar. É um ciclo que é estimulado e guiado por ecografias para que o casal tenha a relação no momento mais propício para engravidar. É o tratamento mais simples que existe na clínica de reprodução humana.

Inseminação Artificial

Este método é parecido com o primeiro, mas em vez de programar uma relação, é feita uma inseminação do sêmen do homem no útero da mulher. O tratamento é o mesmo. Consiste em estimular a produção de folículos e ovulação da mulher via medicação e mediante ao acompanhamento médico. Depois disso, é recolhido o material do pai, o qual é melhorado em laboratório e injetado no útero da mulher.

Fertilização in Vitro (FIV)

A Fertilização in Vitro (FIV) é, hoje, o tratamento mais eficiente para tentar alcançar uma gravidez por meios artificiais. Neste caso, é feito o mesmo estímulo para a produção de folículos da mulher, mas é um estímulo mais intenso. O estímulo ocorre por meio de medicações injetáveis, então a duração do estímulo para criar folículos é bem maior e mais intensa. Em vez de criar apenas dois ou três folículos por vez, ela vai criar o maior número possível de folículos com segurança em apenas um ciclo. A paciente é, então, colocada sob anestesia e o médico aspira esses folículos dos ovários com um equipamento especial. Depois disso, esses folículos são encaminhados para o embriologista, os óvulos são injetados com os espermatozoides do pai e os embriões são criados em laboratório. Na Fertilização in Vitro (FIV), diferente dos outros casos, a fecundação acontece fora do corpo da mulher – em laboratório. Após a fecundação e desenvolvimento do embrião, ele é colocado dentro do útero da mulher. Este é o tratamento mais eficiente que se tem em uma clínica de reprodução humana. Com este método, é possível congelar os embriões sadios para tentativas futuras.

Em todos os casos, a melhor forma de saber o tratamento adequado para você é conversar com um especialista. Ele saberá indicar qual o melhor tratamento para o seu caso.

Fonte: Dr. André Branco, Ginecologista

Leia mais:

Agosto Dourado: a amamentação é essencial

Já conhece o programa Tá na Mesa?

Como manter uma rotina saudável durante o isolamento: dicas para fortalecer a imunidade