Existem alguns fatores, como a própria pandemia, que colaboram para o aumento do número de pessoas sofrendo com algum tipo de transtorno mental – sendo os mais comuns a ansiedade e a depressão. Devido ao confinamento, parte da população perdeu o convívio social e teve de adaptar sua rotina apenas para o ambiente de casa.

A psicóloga Aila Cardial explica que esses fatores implicam na busca por tratamentos e faz com que muitas pessoas procurem o atendimento dos profissionais de saúde mental: “A falta de socialização e o contexto sociocultural atual contribuem para esse aumento. Se uma pessoa já tem uma pré-disposição ou um diagnóstico relacionado a algum transtorno psicológico, isso tende a aumentar com o estresse vivido na quarentena”.

O próprio confinamento, o estresse, a incerteza do futuro, a insegurança e a rotina podem levar a um agravamento de transtornos relacionados a saúde mental. “Esse mix de sentimentos que vieram com a pandemia agravam muito alguns casos de pessoas que já tinham algum problema e podem desencadear transtornos em pessoas que nunca tiveram. Todo esse medo e a insegurança causados pela pandemia, principalmente para os profissionais que estão na linha de frente, aumenta”, explica Aila.

Sintomas mais comuns da depressão

A depressão tem vários sintomas relacionados ao grau: leve, moderado e grave. São eles:

  • Mudanças de humor
  • Sensação de vazio
  • Sentimentos de desesperança
  • Pessimismo
  • Perda do interesse por atividades que costumava gostar de fazer
  • Perda do apetite
  • Cansaço excessivo
  • Apatia

É importante saber identificar esses sintomas para ajudar as pessoas que podem estar sofrendo do problema. Assim, é possível indicar o melhor tratamento e encaminhá-las para os profissionais adequados para cuidar especificamente disso. “A depressão é a terceira doença que mais mata no mundo e, percebendo os sintomas, podemos prevenir, inclusive, o suicídio”, complementa Aila.

Psicoeducação: debate sobre saúde mental cresce, mas o tabu ainda existe

Segundo Aila, buscar informações é muito importante, pois a desinformação gera preconceito e intensifica o tabu. “A ignorância da população é prejudicial para várias áreas, mas principalmente no contexto da saúde mental. Pela falta de conhecimento, as pessoas tendem a achar que é ‘besteira’ e banalizam o tema”.

Aila explica que é importante tratar do assunto com naturalidade e leveza para que aconteça o diálogo – fundamental para a educação da população quando o assunto é saúde mental. “As pessoas geralmente não estão preparadas para ter essa conversa e as pessoas mais próximas podem reconhecer isso e conversar com quem está sofrendo, o que ajuda muito no tratamento”.

Consultas de Psicologia por Video Chamada

Com a mesma qualidade e atenção do atendimento presencial, a Paraná Clínicas disponibiliza para os beneficiários em tratamento, consultas com psiquiatras e psicólogos por vídeo chamada.

Garantindo um atendimento com privacidade e segurança, você pode agendar sua consulta no dia e horário marcados e o profissional entrará em contato para realizar a sessão.

Para quem ainda não tem encaminhamento para o tratamento psicológico, é necessário agendar uma consulta com um clínico geral por Telemedicina. Assim, ele pode avaliar o caso e fazer o encaminhamento correto.

Para agendar sua consulta, ligue (41) 3340-3030.

Confira a live sobre saúde mental no nosso Instagram

Leia mais:

Bem estar: plantas indispensáveis para ter em casa

O seu futuro enviou uma mensagem para o seu hoje: Faça o autoexame de mama

Paraná Clínicas investe em robô-telefonista para confirmação de consultas